Reflexões Femininas

Archive for the ‘Participação Feminina:’ Category

Por Polyana Branco – Escrever de improviso

leave a comment »

Escrever de improviso é como amor a primeira vista
Nem precisamos pensar, escolher, observar, simplesmente acontece.

O escrever vem de dentro das entranhas
É o sentimento eterno aflorado que outrora estava escondido

Polyana Branco

Written by Símia Zen

18/12/2011 at 20:39

Publicado em Participação Feminina:

Tagged with

Meu sorriso

leave a comment »

Vou abrir um lindo sorriso, o mais lindo de todos.
Vou levar minha mão sobre os lábios; agarrar meu sorriso, e rápidamente leva-lo ao envelope; irei escrever: ´´ Cuidado ao abrir este envolepe, aqui tem algo de extremo valor.“
Irei o mais depressa possível envia-lo para ti. Dentro do envelope estará mais que uma simples escrita, estará meu sorriso que vem de muito distante para te fazer sorrir.
Quando você receber meu presente a abri-lo, ao ler minha escrita e sorrir, é porque meu sorriso te alcançou. Se você não sorrir, é porque meu sorriso foi a procura dos lábios perfeito.
Porém, se você mostrar este envelope a mais pessoas, e todas elas rirem. É porque no caminho meu sorriso multiplicou e se estendeu a todos estes lábios. Se ninguém sorriu, é porque meu sorriso esta vagando sobre o mundo, a procura dos lábios perfeito.
Porém, se um dia você se lembrar do que te enviei, e voltar sorrir, sabia: ´´ Meu sorriso se perdeu e voltou para o lábios perfeito. “
Te envio o meu sorriso para que sorria junto comigo.

Espírito Desafiador

Written by Símia Zen

18/12/2011 at 20:35

Por Polyana Branco: O poder da oração

leave a comment »

Sempre estudei em escolas de freiras e tenho como religião o catolicismo. Lembro-me de sempre ter cantado os Hinos de Louvor, Rezar o Terço e participar das Missas. Religião era uma das disciplinas exigidas e tinha seu peso como outra qualquer, mas eu não via necessidade em estudá-la, uma vez que Deus já me ouvia e sabia do meu coração, não precisava que a Professora se certificasse disso, que a meu ver é muito íntimo. Só depois de passado o tempo, eu entendi que falar sobre Religião era um modo de ensinar sobre Deus.

Quero fazer uma observação. Antes de desistirem de ler, ou pensarem que tenho como objetivo pregar a minha religião ou qualquer outra, eu vou logo adiantar, eu não vou falar sobre Terços, Rosários, Ladainhas ou Santos. O que me proponho aqui é enfatizar o Poder da Oração em nossas vidas. E direi mais, nem é necessário acreditar em Deus, para sentirmos a força poderosa da Oração.

Como eu disse antes, a Oração sempre fez parte da minha vida, óbvio ter estudado em Escolas Religiosas contribuiu para isso. E sinceramente falando, orar por obrigação é um saco, é entediante, é sem sentido. Por muitas vezes, eu fingia orar, ficava ali movimentando os lábios para a Professora ver e não ser chamada atenção. Eu não tinha certeza de estar fazendo o certo, afinal, eu enganava a Professora, mas não enganava a Deus.

E mesmo crescendo naquele meio de religiosidade, eu tomei a decisão de não mais orar. Não consultei ninguém, apenas o fiz. Não, eu não deixei de acreditar em Deus, eu só decidi dar espaço para Deus cuidar de quem mais precisava. Ora, para mim foi totalmente natural depois de ver na mídia enchentes, desabamentos, pessoas sequestradas, mães que perdiam seus filhos, a droga que consumia a vida das pessoas, um país inteiro passando fome… Fatalmente, Deus tem muito mais o que fazer do que ouvir meus problemas.

Logicamente não deixei de acreditar em Deus, eu só deixei de visitá-lo. Sabe quando temos uma amiga que mesmo gostando deixamos por um motivo ou outro, de ir á sua casa? Então, foi isso que eu fiz.

Não pensem que irei relatar catástrofes na minha vida pelo fato de ter deixado de orar. Nada, nada, nada mudou. Eu continuava exatamente a mesma, fazia minhas coisas ditas normais, estudava, tinha minha família, dançava, namorava etc.

Depois de um tempo passei a observar nas pessoas uma mudança de pensamento, principalmente nas pessoas formadoras de opinião, como atores, escritores, médicos famosos, cantores. Eles usavam muito um termo, Força Superior, ou seja, Deus ganhou um apelido. E isso nunca me incomodou não, é melhor acreditar em algo do que não acreditar em nada. Aquele que denomino Deus, outros chamam de `Cara lá de cima`, `Força Superior`, `Força Maior`, `Jeová`, `Buda`, `Oxalá`. Na realidade o nome é o que menos importa.

Na mesma mídia que citei outrora, e também observando á minha volta, eu percebi que as mesmas pessoas que eu pensava acreditarem de Deus mais do que eu, continuavam existindo, mais e mais. E na imensa fila de pessoas necessitadas de Deus, eu me via colocando a cada hora mais pessoas na minha frente. Foi ai que decidi voltar atrás sobre a minha decisão e reintroduzi a Oração em minha vida colocando nos meus dizeres ao Pai, todas as pessoas que também precisavam Dele. Ah, importante ressaltar que nas Orações devemos muito mais agradecer do que pedir, pois a vida é o Maravilhoso Presente de Deus para nós.

Voltando as minhas Orações eu me senti preenchida, o vazio interno da minha existência deixou de existir e meus pensamentos são voltados para atitudes que conduzem á felicidade.

Quero finalizar fazendo outra observação. O que eu chamo de Oração, outras pessoas denominam de Força do Pensamento, Lei da Atração, Lei do Universo e por ai vai.

Polyana Branco

Written by Símia Zen

18/12/2011 at 20:28

Publicado em Participação Feminina:

Tagged with

Por Márcia Poesia de Sá: Reflexões femininas

leave a comment »

Rio os tantos risos de tantas épocas distintas
Lembro-me quando menina, falava com o mar
ainda guardo no peito todos os diários
todos os amados, todos os anos de luz
e escapulários.

penso e repenso meu passado
passo a limpo meu presente
e o futuro agora ri…

Ri desta menina escondida
desta adolescente decidida
destas mulheres tantas de mim

Hoje sou uma miríade…
guardada e exposta
baús e janelas são minhas estradas

Feminina, feminista e fêmea
fama, fome e fortaleza

Mãe, mulher, bicho e fada
artista e poeta…
devorando madrugadas
sonhos de nadas

Sou o rasgo claro da manhã
e o silêncio que adormece a noite

Pensamentos rasgando o espaço
sonhos voando alto…
e apenas o vento, me define.

Márcia Poesia de Sá – 08.10.2011

=============================================
Fraternas, se desejarem apreciar os demais poemas da obra desta poetisa massa, visitem seu blog “Nova Ordem da Poesia” – http://www.novaordemdapoesia.com/

Written by Símia Zen

29/10/2011 at 00:01

Por BW Tyhmä – As relações humanas no século XXI.

leave a comment »

O avanço tecnológico no atual século caminha a passos largos, infelizmente paralelamente à destruição das condições de vida no planeta, ao esfriamento nas relações humanas, e a degeneração moral.

Há um vírus destruindo a humanidade. Não se trata de um estado físico nem biológico, mas um estado mental. É só observar em redor e veremos que caminhamos para a destruição.

A tecnologia dos computadores se multiplica rapidamente e isso vai continuar até que eles tenham a complexidade parecida com a do cérebro humano, porém, como disse Hawking “quando uma civilização atinge nosso estágio de desenvolvimentos tecnológico ela se torna instável e se autodestrói”.

A luta pela sobrevivência entre os animais é a ânsia capitalista entre os homens para conquistar o mundo; quando uma pessoa se mostra superior a outra termina por dominar e impor sua superioridade, em busca da felicidade e um sentido para sua vida, tornando as relações humanas mais artificiais e distantes.

Se continuarmos assim, o ser humano será incapaz de sentir a dor do outro, com uma necessidade doentia e neurótica de estar sempre certo. Assim, todos os comportamentos aberrantes serão comuns e tidos como normais, e a psicologia e psiquiatria proibidas de argumentar contra. O fator educação e amor ao próximo, como plano moral pregado por Jesus, serão esquecidos em virtude do orgulho, egoísmo e das divisões de ânimo; seremos como animais, sem nenhuma distinção.

No entanto, se formos capazes de parar de tentar conquistar o mundo lá fora, e tentarmos conquistar o universo dentro de nossas mentes, aquietaremos nossa ansiedade, valorizaremos mais o ser humano, e então os poderosos não mais tentarão comprar a felicidade com dinheiro, nem poder, porque perceberão que ela está nas coisas mais simples, anônimas e no calor humano. Voltarão a tentar atingir o plano moral de Deus, e terão um propósito para a existência. Poderíamos então dizer que verdadeiramente houve um avanço no século XXI, mas não para a destruição da humanidade.

Black Widow Tyhmä
30/05/2011.

Written by Símia Zen

08/10/2011 at 12:05

Publicado em Participação Feminina:

Tagged with

Por Rejane Marques – Devastação

leave a comment »

A vida gera e desintegra a vida

Com a mesma velocidade

A ferida que se fecha é esquecida

Mas na superfície ficam marcas:

Cicatrizes.

Lembranças estendida de um momento

Onde sentidos e sentimentos são alterados

E expostos a uma forma de degradação

Mais feroz que a força do próprio tempo:

Violência

Movimento que não é sempre evidente

Nem cintilante quanto sangue derramado

Marcas que nascem do orgulho desamparado

E se manifestam com atos e palavras

intransigentes:

Covardia.

A violência contra a vida em formação

Mata a fonte do prosseguimento do sopro

Muito mais do que devasta sua semente

Numa morte que não se encerra com a cura

É ferida aberta devastando para sempre o pensamento.

Rejane Marques de A.

Written by Símia Zen

30/04/2011 at 21:21

Por Rônia Carvalho: Da janela para o mundo

leave a comment »

Minh’alma se debruça sob meu peito
e respira a fragrância das rosas de um jardim, logo abaixo da janela
Todas as vezes que me entristeço, recorro a esse sublime espetáculo

É daí que vejo tantos gostos, tantos rostos, tantas essências…
Quem sabe me deparo com uma doce e suave brisa,
que ao tocar minha face, leve embora de vez esse sentimento
que insiste em voltar…

Uma lágrima cai sob as pétalas,
Consigo ver a rosa despertar, ela está mais uniforme, mais colorida…
Percebo que ao passarem pela janela, os olhares sentem ternura
ao contemplarem um belo jardim!
Mal sabem, tais criaturas, que o alimento de tão belas flores,
São as lágriams nascidas de um sentimento sofrido!

Então me recolho e me volto para dentro
Trazendo comigo uma certeza
De que pelo menos assim, o mundo se delicia da beleza das rosas
e se torna mais especial visto de uma janela…

Rônia Carvalho

Written by Símia Zen

13/03/2011 at 16:41